quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

A culpa é do álcool?

Tifany sempre foi uma das garotas mais desejadas da escola onde estudava.
Os garotos sonhavam com uma chance com ela, viviam comentando sobre sua beleza escutural, mas tinha um porém, ela não dava chance para ninguém da escola, aliás, do bairro, se bobiar nem os caras da cidade tinham alguma chance com ela. Tifany só saia com caras mais velhos (na época, adolescentes, ainda eram muito "crianças" pra ela").
Certa vez, Bruno, um rapaz que fazia certo sucesso entre as garotas, foi a uma festa e lá encontrou quem? Tifany é claro. Ele decidiu então ir até lá e falar um Oi.
Ao se aproximar de Tifany, ele percebeu que ela estava um pouco diferente do que de costume. Dançando até o chão, rebolando, gritando... Enfim, ela estava bêbada.
Bruno chegou perto e disse o tal Oi pra Tifany. Ela respondeu com um sorriso no rosto "Oi Bruno". O sorriso lindo e ludibriante desejado por todos na escola. E então, numa ação inesperada, ela o abraçou e lhe beijou. Um beijo demorado. Aliás o beijou durante todo o restante da festa. Era a realização de um sonho para Bruno naquela noite. Nem mesmo ele acreditava no acontecido.
Depois da festa, Bruno estava em extase pelo ocorrido. Mas a felicidade dele não durou muito tempo, logo pela manhã ele recebe uma visita novamente inesperada. Tifany.
Ele sai com um sorriso no rosto, mas a expressão dela já não é a mesma da noite anterior. Cara cerrada, os olhos ainda inxados por causa da bebida e pela noite certamente mal dormida, um resto de maquiagem ainda borrando o rosto.
Bruno a cumprimenta: "Oi, bom dia Ti, dormiu bem meu anjo?" (depois da noite anterior ele ja se sentia intimo da moça)
Tifany não diz uma palavra, e então lasca-le um tapa na cara, pra então sim começar o açoitamento:
"Seu cachorro, como ousa abusar de mim ontem? Você se aproveitou que eu estava bêbada pra poder me beijar é? Quem você pensa que é seu moleque, nunca mais chegue perto de mim, 'ÓQUEIIIIIIII?!?!'"
Então ela se virou e foi embora sem dar chances de Bruno se defender, e restou-lhe apenas ficar ali parado sem entender nada. O que ele teria feito de errado? Se alguém agarrou alguém, esse alguém era ela.
Bruno então voltou pra dentro da casa, pegou um pão, no qual comeu rindo, afinal, bêbada ou não, ele tinha conseguido beijar a TIFANY da escola.

2 comentários:

Paulo Dionísio disse...

Queria ganhar um tapa desses da garota do meus sohnos.

Emmy S. disse...

Magina que ela é ridicula né?! KKKKKKKKK
o conto é bom, deve acontecer muuuuitas coisas desse tipo todo santo dia!


http://plushmoon.blogspot.com
;))